segunda-feira, 27 de julho de 2009

As crianças aprendem o que vivenciam



Se as crianças vivem ouvindo críticas, aprendem a condenar.

Se convivem com hostilidade, aprendem a brigar.

Se as crianças vivem com medo, aprendem a ser medrosas.

Se as crianças vivem com pena, aprendem a ter pena de si mesmas.

Se vivem sendo ridicularizadas, aprendem a ser tímidas.

Se convivem com a inveja, aprendem a invejar.

Se vivem com vergonha, aprendem a sentir culpa.

Se vivem sendo incentivadas, aprendem a ter confiança em si mesmas.

Se as crianças vivenciam a tolerância, aprendem a ser pacientes.

Se vivenciam os elogios, aprendem a apreciar.

Se vivenciam a aceitação, aprendem a amar.

Se vivenciam a aprovação, aprendem a gostar de si mesmas.

Se vivenciam o reconhecimento, aprendem que é bom ter um objetivo.

Se as crianças vivem partilhando, aprendem o que é generosidade.

Se convivem com a sinceridade, aprendem a veracidade.

Se convivem com a equidade, aprendem o que é justiça.

Se convivem com a bondade e a consideração, aprendem o que é respeito.

Se as crianças vivem com segurança, aprendem a ter confiança em si mesmas e naqueles que a cercam.

Se as crianças vivem com a afabilidade e a amizade, aprendem que o mundo é um bom lugar para se viver.

Dorothy Law Nolte

Fonte: Filhos: O que fazer com eles ? Sugestões para acertar sempre ! Susan Leibig e Luiz Felippe Matta Ramos.

Postado por Edni, às 22:15

Resgatando a Formação Ética e Moral na Família - Parte II

De autor desconhecido, o texto a seguir mostra pequenas atitudes que parecem não ter importância, mas que com o passar do tempo afetam e comprometem as relações humanas diárias.
" Esta tudo bem , filho, todo mundo faz isso. "
" Quando João tinha seis anos, estava numa loja com o pai e gostou muito de um brinquedo que já estava esgotado e havia apenas o da vitrine. O pai imediatamente mostrou ao vendedor da loja uma nota de vinte reais. " Está tudo bem , filho , todo mundo faz isso ".
" Quando o garoto tinha oito anos, permitiram-lhe assistir a uma reunião familiar, presidida pelo tio Jorge, sobre como sonegar o imposto de renda. " Está tudo bem, garoto, disse-lhe o tio, todo mundo faz isso. "
Aos nove anos, a mãe levou-o pela primeira vez ao teatro. O lanterninha não conseguia achar lugar para eles até a mãe descobrir uns trocados na bolsa. " Está tudo bem, filho, disse-lhe ela, todo mundo faz isso. "
Já com doze anos, teve quebrado os óculos a caminho da escola. A tia Francisca convenceu a companhia de seguros de que os óculos haviam sido roubados e extorquiu-lhes 100 reais. " Está tudo bem , garoto, disse-lhe a tia, todo mundo faz isso. "
Quando tinha quinze anos, tornou-se, zagueiro no time de futebol da escola. O técnico ensinou-lhe como interceptar a bola e, ao mesmo tempo, agarrar o adversário pela camisa, sem que o juiz percebesse. " Está tudo bem, rapaz, disse-lhe o técnico, todo mundo faz isso. "
O rapaz conseguiu seu primeiro emprego no supermercado da vizinhança aos dezesseis anos de idade. Seu trabalho consistia em colocar os tomates passados no fundo das caixas e os bons por cima, bem à vista. " Está tudo bem, disse-lhe o gerente, todo mundo faz isso.
Aos dezoito anos, João e um colega concorreram a uma bolsa de estudos para a faculdade. João era mau aluno, enquanto o colega estava entre os 3% dos melhores da classe. Todavia, não era zagueiro e foi João quem conquistou a bolsa. " Está tudo bem, disseram -lhe, todo mundo faz isso.
Com dezenove anos, João foi abordado por um veterano que lhe ofereceu as respostas das provas por 30 reais. " Está tudo bem, calouro, disse ele, todo mundo faz isso. " João foi apanhado colando e o expulsaram da faculdade. " Como pôde fazer isso com sua mãe e comigo?", desesperou-se o pai. " Você nunca aprendeu essas coisas aqui em casa. " Também seus tios ficaram chocados. Se há uma coisa que o mundo dos adultos não tolera é um moleque mentiroso.
O convívio familiar sadio é a base da felicidade pessoal, familiar e social.
Dificuldades existem nas famílias e serão superadas se houver paciência com compromisso e consequências assumidas.
Portanto, regras estabelecidas devem ser cumpridas pelos familiares e não ignoradas simplesmente, dando oportunidade à criança de ouvir desculpas como: na próxima vez..., por hoje passa, só hoje, hein?!... Essas " desculpas " levarão a criança a ter uma forte moeda de troca: " se ele pode, eu também posso ". Ao crescer e se tornar adulta, essa pessoa tenderá a fazer o mesmo, se utilizar das desculpas.
Será observando o comportamento dos adultos que a criança iniciará a construção de seu juízo moral ( o que é, como deve ser ), assim como aprenderá sobre escolhas, liberdade, responsabilidades e avaliação do que é ou deve ser o bem comum.
Postado por Edni, às 21:45

Resgatando a Formação Ética e Moral na Família - Parte I


Resgatando a Formação Ética e Moral na Família

Márcia Miluzzi Alquesar

Sandra Borelli Rodrigues de Barros

" Não faças ao outro o que não queres que te façam. " Este é um dos princípios fundamentais da ética.

É igualmente justificada a afirmação: " Tudo o que fazes aos outros fazes a ti mesmo ". ( Fromm, citado por Savater/1993 ).

Resgatar é ir buscar, reaver, libertar o que estava perdido ou se está por perder.

Atualmente vive-se numa sociedade que está perdendo o discernimento, o companheirismo, a tolerância, enfim, a essência da troca moral na busca da felicidade.

Mas seria tão simples assim?...

A complexidade se dá exatamente aí. As normas e regras se sustentam nos valores criados pelos sujeitos em suas relações entre si, com a natureza, num espaço de moralidade em que aprovamos ou reprovamos os comportamentos nomeando-os de corretos/incorretos; bons/maus; verdades/mentiras; sim/não.

Esses critérios iniciam-se no primeiro núcleo social: a família

Nesse núcleo, as crianças devem aprender a praticar valores.

À medida que a criança cresce e se desenvolve, os seus núcleos vão se ampliando ( parentes, escola, colegas, outros ambientes sociais), e ela passa a questionar os valores que norteiam seu comportamento neste ou naquele núcleo, buscando o equilíbrio, que, segundo Piaget, é feito por adaptação e por organização.

A adaptação tem duas formas básicas: a assimilação e a acomodação. Portanto, cada criança constrói e reconstrói continuamente os valores que a tornam apta ao equilíbrio.

Cada valor terá significado qualificado ou quantificado conforme o costumeiro uso do mesmo nos seus relacionamentos, instalando-se o dever .

A criança aprende quando os adultos que tratam com ela agem com disciplina pessoal, solidariedade, responsabilidade e companheirismo. Ao contrário, se os adultos mostrarem a desonestidade, o desperdício, a indisciplina, não respeitando a si e aos outros, a criança só terá referências negativas.

É preciso refletir, sempre, sobre verdades, atitudes, consciência, regras, limites... e outros valores necessários na construção do indivíduo, tendo como base o primeiro núcleo a que se pertence: a família.

Fonte: Filhos: O que fazer com eles? Sugestões para acertar sempre! Susan Leibig e Luiz Felippe Matta Ramos.

Postado por Edni, às 15:00

domingo, 26 de julho de 2009

Discalculia


Dis (grego ) = mal + Calculare (latim ) = contar = contar mal



Saiba como ajudar crianças com este distúrbio de aprendizagem

Bartira Betini


Um aluno que por inúmeras vezes erra ao fazer uma conta, não compreende uma equação matemática ou não consegue resolver problemas matemáticos, pode sofrer de um distúrbio de aprendizagem chamado discalculia, caracterizado pela dificuldade em compreender os processos de matemática.

A discalculia atinge crianças e adultos, mas é mais comum na infância, e é percebida pela quantidade de erros na hora de contar e solucionar problemas verbais. Estima-se que de 4 a 6% da população mundial sofra de discalculia. O estudo mais recente foi apresentado em junho de 2008 em um congresso científico no Reino Unido. Brian Butterworth, do Instituto de Neurociência Cognitiva do University College London, em conjunto com o Centro Cubano de Neurociência, descobriu que, de 1.500 crianças avaliadas, entre 3 e 6% apresentavam sinais de discalculia.

Causas


As causas da discalculia são pouco conhecidas porque ainda não existe um estudo amplo sobre o tema, como há, por exemplo, no caso da dislexia. " Em 2007, o Dr. Roi Cohen Kadosh e sua equipe do Instituto de Neurociências Cognitivas da University College London publicaram um trabalho que sugere que a discalculia pode ser causada por lesões específicas no cérebro", explica Simaia Sampaio, pedagoga e psicopedagoga clínica.


Principais Sintomas

* Dificuldade em diferenciar direita e esquerda e na orientação espacial ( norte, sul, leste e oeste);

* Dificuldade com tabelas;

* Dificuldade temporal e de sequencialização ( 11, 12 , 13 ...);

* Dificuldade com sinais ( + , - , : e x );

* Dificuldade com operações e com o processamento da linguagem matemática;

* Dificuldade nas memórias de trabalho e a longo prazo;

* Dificuldades psicomotoras.


Tratamento


Segundo Quézia Bombonatto, bacharel em Matemática, fonoaudióloga, psicopedagoga, terapeuta familiar e presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia ( ABPp ), o professor não tem condições de diagnosticar uma criança com discalculia. Para ela, a criança precisa ser avaliada por uma equipe multidisciplinar, formada por um psicopedagogo, um neurologista, e, se possivel um neuropsicológo. "Como qualquer outro distúrbio, não podemos falar em ' tratamento curativo ', mas em intervenções facilitadoras para o desenvolvimento das funções que foram comprometidas". Para diminuir os sintomas, Raquel Caruso, psicopedagoga, fonoaudióloga e coordenadora da clínica EDAC ( Equipe de Diagnóstico e Atendimento Clínico), deSão Paulo, indica o uso de jogos e do computador.


Em sala de aula


Saiba como ajudar o aluno com discalculia.

* Dê mais tempo para a resolução dos exercícios e permita o uso da calculadora nas atividades do dia a dia e nas avaliações. " Mas explique à turma porque aquela criança pode usar a calculadora, para que não haja divergências", recomenda Simaia Sampaio.

* Jamais aponte os erros do aluno, salientando-os com caneta vermelha ou corrigindo-os na frente dos colegas.

* Se a criança estiver nervosa ou cansada, não a force fazer uma atividade. " A discalculia é uma dificuldade neurológica e não preguiça ou desinteresse", declara Simaia.

* A criança que sofre de discalculia, geralmente possui baixa autoestima. Incentive-a, elogiando suas conquistas.


Atenção: veja as diferenças entre Distúrbio de Aprendizagem e Dificuldade de Aprendizagem


* Distúrbio de aprendizagem = é um comprometimento neurológico, ou seja, uma disfunção cerebral, que interfere no processamento da informação, impedindo sua aprendizagem. É um fator neurológico .


* Dificuldade de aprendizagem = é uma desordem no aprendizado proveniente de fatores sócio-econômicos, emocionais e pedagógicos e não necessariamente de causas orgânicas. ( Letícia Cabau, pedagoga e e especialista em Neuropsicologia )



Fonte: Guia prático para professores de Ensino Fundamental I

Postado por Edni , às 20:12

Ambiente Alfabetizador

Nas palavras de Emília Ferreiro, criar um ambiente alfabetizador significa organizar a sala de aula de maneira que cada sala ofereça materiais que favoreçam a aquisição de conhecimentos:
* Canto de Leitura;
* Materiais diversos com ilustrações e escritas ( jornais, revistas, dicionários, folhetos, embalagens, receitas, etc. );
* Alfabeto ilustrado;
* Sequência numérica;
* Calendário;
* Painel de aniversariantes;
* Painel de ajudantes;
* Lista de palavras.
As crianças possuem diferentes preferências por uma atividade ou outra, cada criança também apresenta um ritmo que lhe é próprio, ou seja,o desenvolvimento das suas atividades psicomotoras, de seu relacionamento com os outros, de sua fala e diversas outras formas de comunicação vão acontecendo para cada criança em épocas relativamente distintas.
As crianças reagem de forma diferente, por isso o ambiente alfabetizador precisa ser organizado e assimilado aos hábitos de trabalho que contribuem para a independência da criança.
Muitas vezes a mesma sala é dividida com turmas de outros horários. É importante que os professores entrem em acordo sobre a utilização do espaço, a fim de que um não atrapalhe o outro. Os professores poderão também desenvolver nos alunos o respeito pelo material exposto por outra turma.
Os materiais expostos nas paredes devem ter o mínimo de ordem e clareza, não devendo ter poluição visual. A sala de aula deve ser motivadora da leitura, da escrita e do manuseio do material didático.
Fonte: Alfabetização Lúdica - Ed. Ciranda Cultural
Postado por Edni, às 14:45

sexta-feira, 24 de julho de 2009

2º. Domingo de Agosto - Dia dos Pais

O Dia dos Pais é comemorado no segundo domingo de agosto e não foi instituído apenas por motivos comerciais, como muitos pensam.
É uma data tão importante quanto o dia das Mães e surgiu em Washington, nos Estados Unidos, quando a senhora Sonora Louise Smart Dodd propôs a idéia de comemorar a data, em 1909, pois pretendia homenagear o pai, William Smart Dodd, um veterano da guerra civil. Smart, sozinho, criou os seis filhos em uma fazenda no estado de Washington, já que sua esposa falecera por ocasião do parto do sexto filho.
Reconhecendo a fibra, o caráter e a generosidade de seu pai, Sonora Louise propôs a data de 19 de junho de 1910 e, o então Presidente dos Estados Unidos, Calvin Coolidge, recomendou que todo o país participasse da comemoração. Com o passar dos anos, a idéia disseminou-se pelos outros países do mundo.
Originalmente a rosa foi escolhida como a flor oficial do dia dos pais. Os pais vivos seriam homenageados com rosas vermelhas e os falecidos com rosas brancas. No ano de 1972, o Presidente Richard Nixon proclamou oficialmente o terceiro domingo de junho como o Dia dos Pais.
No Brasil, a idéia da comemoração foi importada pelo publicitário Sylvio Bhering e, por motivos comerciais, a data foi transferida para agosto, ocorrendo sua comemoração em 14 de agosto de 1953.
Fonte: Alfabetização Lúdica - Ed. Ciranda Cultural
Postado por Edni , ás 12:55


26 de Julho - Dia dos Avós

No dia 26 de Julho, comemoramos o Dia dos Avós, esse dia foi escolhido para a comemoração porque é dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.
No século I a. C. - conta a história que Ana e seu marido , Joaquim, viviam em Nazaré e não tinham filhos, mas sempre rezavam pedindo que o senhor lhes enviasse uma criança. Apesar da idade avançada do casal, um anjo do Senhor apareceu e comunicou que Ana estava grávida, e eles tiveram a graça de ter uma menina abençoada a quem batizaram de Maria.
Santa Ana morreu quando a menina tinha apenas 03 anos. Devido a sua história, Santa Ana é considerada a padroeira das mulheres grávidas e dos que desejam ter filhos. Maria cresceu conhecendo e amando a Deus e foi por ele a escolhida para ser Mãe de seu filho. São joaquim e Santa Ana são os padroeiros dos avós.
Fonte: Portal da família
Postado por Edni, ás 11:35

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Vídeo Filho Adotivo

video

Ser Pai

Ser Pai
Não basta levar o nome de pai
È preciso ser especial.
È preciso ser algo mais...
Há de ser um exemplo,
Há de ser um herói,
Há de ser um companheiro,
Há de ser presente
Sempre presente,
Há de ser como você.
Meu velho amigo,
Meu querido Pai !
N. Rogero
Postado por Edni, às 11:20

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Lenda do Saci- Pererê

Saci - Pererê

Se você avistar um rodamoinho surgindo de repente, cuidado!

Ali dentro pode estar o saci - pererê.

Esta é uma das mais tradicionais lendas do folclore brasileiro.

Conta que o saci é um negrinho esperto, que vive fumando um cachimbo de barro e pulando em uma perna só.

O saci usa um capuz vermelho na cabeça onde, dizem, concentrar-se todo o seu poder.

Ele anda por todo lado fazendo mil travessuras: estraga os ovos das galinhas chocas... dá nó na crina e no rabo dos cavalos, azeda o leite, esconde as coisas dos outros... Deixa todo mundo doido!

Para dominar um saci, só há uma solução: pegue o capuz do danado e você consiguirá prendê-lo numa garrafa.

Fonte: Alfabetização Lúdica - Ed. Ciranda Cultural.

Postado por Edni , ás 12:55


Lenda da Iara

Iara
As sereias estão no imaginário popular desde cedo. São muitas as histórias que ouvimos, falando deste ser encantado.
A Iara é uma lenda do folclore brasileiro, comum na região amazônica. Dizem que a Iara é uma bela mulher, parecida com uma índia de longos cabelos negros.
Ao entardecer, ela sai das profundezas d' água e vem sentar-se em uma pedra onde penteia os cabelos com um pente de prata, mirando-se em um espelho.
O que diferencia a Iara de uma mulher comum é sua forma: mulher até a cintura e, em vez de pernas humanas, ela possui uma longa cauda como um peixe. Com sua voz delicada e seu canto maravilhoso, a Iara seduz os homens que hipnotizados, são levados para o fundo dos rios, onde desaparecem para sempre.
Se você ouvir um belo canto à beira de um rio, cuidado! pode ser o canto da sereia...
Fonte: Alfabetização Lúdica -Ed. Ciranda Cultural
Postado por Edni , às 11:35


Lendas

Curupira

Diz a lenda, que o curupira vive nas florestas e é protetor das árvores e dos animais.

Segundo a crença popular, ele se parece com um menino: tem cabelos vermelhos e arrepiados e os pés voltados para trás.

Ao perceber caçadores ou devastadores da mata, o curupira prepara armadilhas, deixando como rastros, seus pés ao contrário, enganando os caçadores que se perdem na selva.

O curupira não perdoa aqueles que matam animais indefesos ou fêmeas prenhas. Sua punição é sempre severa.

Ao entrarem na mata, evitem fazer fogueiras para não causar incêndios e não maltratem os animais.

O curupira está sempre atento para defender a floresta e seus habitantes.

Fonte: Alfabetização Lúdica - Ed. Ciranda Cultural

Postado por Edni , às 11:20


Folclore



Folclore

Folclore é o conjunto de canções, provérbios, histórias, rimas, lendas, trava- línguas, adivinhações, enfim, dos costumes e das tradições que fazem parte da cultura de um povo.

Postado por Edni, às 11:50

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Compositores de músicas carnavalescas






Carnaval



A maior festa popular brasileira representa o potencial regional e cultural de um Brasil formado por diferentes Brasis. Em cada região, estado e cidade, encontramos um jeito diferente de celebrar e registrar o carnaval. E é por isso que essa tão importante manifestação popular e folclórica de nossa cultura merece ser estudada, lembrada e apreciada.

Fonte: Guia Prático para professores de Ensino Fundamental I - Postado por Edni ás 19:00

SEJAM BEM VINDOS...

" Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino."
Paulo Freire